Para que uma empresa consiga operar de maneira produtiva e constante, diversas ações são necessárias. A manutenção corretiva, preventiva e preditiva são exemplos de procedimentos que merecem atenção — especialmente, em razão dos benefícios expressivos trazidos para o negócio.

A manutenção, em todas as suas modalidades, deve fazer parte do cotidiano corporativo, visto que um descuido pode acarretar enormes prejuízos financeiros e dificuldades de operação.

Por isso, elaboramos este conteúdo com o objetivo de apresentar os tipos de manutenções existentes, bem como a importância de se investir nesses procedimentos. Se você deseja se tornar um profissional mais qualificado e contribuir com o sucesso de sua empresa, leia os tópicos a seguir!

Qual a importância da manutenção para as corporações?

Em um contexto de competitividade acirrada, é evidente que as empresas precisam se manter operantes de maneira produtiva. Não há como disputar a preferência do consumidor sem que o trabalho seja desenvolvido adequadamente. Desse modo, a manutenção se mostra importante para o sucesso de um empreendimento, pois falhas no processo acarretam a interrupção das atividades — e isso, certamente, gera uma série de prejuízos.

Entenda que um equipamento com defeito, por exemplo, pode afetar a qualidade e a eficiência do produto ou do serviço e, assim, prejudicar as vendas e a reputação do negócio. Ou seja, deixar de tomar esse cuidado gera diversos efeitos negativos à empresa, como:

  • perda da confiança do consumidor;
  • diminuição da receita da empresa;
  • alto custo dos reparos emergenciais;
  • aumento dos acidentes de trabalho.

O que é manutenção corretiva?

Como o próprio nome sugere, a manutenção corretiva visa a reparação de um defeito, como restaurar o funcionamento de um equipamento.

Se há um equipamento — ou um processo — que deixou de funcionar ou que começou a operar de maneira inadequada, ele certamento precisa de reparos. Isso pode ser entendido como uma manutenção emergencial, já que entra em ação justamente após a quebra ou a deficiência do item.

Um gestor de facilities precisa estar atento a esse tipo de manutenção, pois uma falha pode gerar inúmeros prejuízos ao negócio. Quando um equipamento deixa de operar de maneira repentina, a empresa tende a gastar mais do que o necessário.

Além do alto custo do reparo, o negócio pode deixar de cumprir os prazos com seus clientes e ter a sua credibilidade afetada pelo descumprimento de um contrato. Portanto, é preciso avaliar com atenção a periodicidade com que a manutenção corretiva é realizada em sua empresa e trabalhar para que esse índice seja reduzido gradativamente.

O que é manutenção preventiva?

A manutenção preventiva, ao contrário da corretiva, atua de maneira estratégica para evitar que o problema ocorra. Isto é, ela busca prevenir a falha no sistema, a quebra do equipamento e, consequentemente, o descumprimento das obrigações assumidas pela empresa.

De modo geral, para que seja possível a realização desse modelo de manutenção, é essencial ter um bom planejamento com intervalos definidos, evitando, dessa maneira, falhas e erros nos processos. É importante ressaltar que esse tipo de manutenção se destaca por auxiliar o gestor a manter a empresa trabalhando sempre em seu máximo rendimento — além de evitar a deterioração dos equipamentos industriais.

A estratégia empregada na manutenção preventiva combina métodos de acompanhamento de tempo e condições para proporcionar que as ferramentas e equipamentos mantenham-se em funcionamento. Assim, a inspeção é realizada mesmo que o equipamento não apresente defeitos — com foco na prevenção de possíveis falhas.

O que é manutenção preditiva?

Apesar de não esperar a quebra do equipamento, a manutenção preditiva — também conhecida como manutenção planejada — possui uma organização diferente. Via de regra, quando esse método é aplicado, os ajustes e manutenções são executados apenas quando é necessário — sem aguardar, no entanto, que o equipamento deixe de operar.

Dessa maneira, é possível perceber que uma manutenção preditiva exige muita atenção por parte da equipe responsável, já que é necessário ter um controle e um acompanhamento diretos e constantes, capazes de prever quando haverá a necessidade de atuação e a realização dos procedimentos.

Por isso, muitos gestores de facilities se referem a esse tipo como manutenção planejada, pois as condições do equipamento são avaliadas para se determinar o momento em que uma intervenção será necessária, de modo a evitar o mau funcionamento.

Porém, nem sempre esse tipo de manutenção é fácil de ser executado. Existem alguns fatores que influenciam e dificultam o método, como:

  • o equipamento não permite o monitoramento;
  • o custo do monitoramento é maior que os benefícios;
  • dificuldade na elaboração de um cronograma de acompanhamento e análise sistemática.

Quais os efeitos práticos de uma manutenção constante?

Depois de todas as informações, é possível que você ainda esteja em dúvida quanto à necessidade de se investir em manutenções periódicas em sua empresa. No entanto, os efeitos desse tipo de estratégia são facilmente visualizados.

Imagine uma primeira situação em que um equipamento muito utilizado na linha de produção não receba a atenção devida e fique por um longo período sem manutenção. Certamente, a falta de cuidados poderá, cedo ou tarde, causar a interrupção de seu funcionamento.

Nesse caso, resta claro que uma manutenção preventiva seria muito mais vantajosa para a empresa do que a corretiva. A falta de reparos é um problema que pode danificar várias peças do equipamento e, consequentemente, afetar toda a sua estrutura e demandar mais gastos.

Em uma segunda situação, temos uma equipe de segurança terceirizada que não recebe treinamento há um bom tempo. É natural que, por não passarem por cursos de reciclagem, seus métodos de trabalho se encontrem ultrapassados e possam colocar em risco a empresa, os clientes e os próprios funcionários.

Ou seja, um treinamento eficaz contribui para que esses profissionais estejam sempre atualizados e preparados para enfrentar as mais diversas situações que envolvam segurança empresarial.

Assim, fica demonstrado o quanto a manutenção é importante para o alcance de bons resultados em sua empresa. Após entender as diferenças entre manutenção preventiva, manutenção preditiva e manutenção corretiva, você se tornou um gestor mais qualificado e preparado para assegurar a produtividade e a eficiência do negócio.

Quer aprender mais sobre o tema? Então, conheça 6 atividades que não podem deixar de ser executadas na manutenção predial!