Como todos sabem, a água é fundamental para o desenvolvimento da sociedade e da economia. Além de fazer parte da sobrevivência humana, ela viabiliza a agricultura, a indústria e a prestação de serviços. No entanto, a má gestão desse recurso tem gerado muito desperdício de água nas empresas.

Um indicador disso é que até 2030 haverá déficit de água no mundo de 40% — e a indústria aumentará a demanda por recursos hídricos em até 400% até 2050, segundo o relatório da Organização das Nações Unidas (ONU).

Tais estatísticas sugerem que os setores da economia que mais gastam água devem promover algumas mudanças no relacionamento com esse recurso. Isso afetará positivamente não só o equilíbrio da natureza, mas também os custos, os lucros e o desempenho geral das empresas. A partir desse entendimento, o gerenciamento hídrico será um novo desafio e, frequentemente, surgirá o questionamento sobre a real possibilidade de controlar o desperdício e como fazer isso.

Graças ao desenvolvimento sustentável, diversas ações têm sido implementadas com sucesso, de modo a obter a redução do consumo de água e a otimização do seu uso. A seguir, apresentaremos algumas dessas soluções. Confira!

Mapeamento do uso da água

Essa é uma estratégia que permite conhecer o perfil de consumo de água pela empresa. Ela consiste na avaliação de como cada setor utiliza esse recurso e verifica o que pode ser otimizado. Com essas informações, é possível traçar métodos de controle de perdas.

Assim, o mapeamento é a maneira ideal de iniciar as mudanças e fazer o acompanhamento dessas melhorias.

Realização de campanhas de redução do consumo

A conscientização é um modo bastante eficaz para diminuir o desperdício de água nas empresas. Basicamente, as campanhas objetivam modificar a cultura corporativa, levando novos valores aos funcionários, relacionados ao padrão de utilização de recursos naturais.

Por isso, a empresa deve promover ações de incentivo à economia de água entre os colaboradores, de forma que eles sintam o impacto positivo dessas mudanças no cotidiano.

Otimização da gestão da limpeza

O trabalho de limpeza é um dos principais causadores de desperdício de água nas empresas. Essa operação pode ser integrante das atividades do estabelecimento, como a produção de bens manufaturados ou a agricultura, ou, apenas, ser parte da manutenção das instalações, como a limpeza geral de edifícios.

Pela sua própria natureza, o serviço de higienização é um fator crítico quando se pretende controlar o desperdício de água. Por isso, tudo o que envolve essa atividade deve ser analisado de perto para direcionar as ações de melhoria.

Como as empresas normalmente terceirizam a limpeza, a escolha do fornecedor torna-se determinante. Assim, ao analisar a qualidade da prestação desse serviço, itens como os materiais utilizados e o preparo dos funcionários não podem ser ignorados.

O uso de produtos de baixa qualidade pode causar contaminação ou demandar mais aplicações, e os profissionais não qualificados tendem a gastar mais água do que o necessário. Além de riscos, esses inconvenientes acarretam perda de tempo útil e de recursos.

Substituição de equipamentos

Ao mapear os pontos críticos, os equipamentos e as peças ocupam uma posição importante quando se considera investimentos para o controle de desperdício de água. Eles podem ocasionar vazamentos ou não serem econômicos. As torneiras mais modernas possuem tecnologias, como aquelas com arejadores, que permitem uma considerável redução no consumo.

Assim como esses registros, as válvulas que controlam a saída de água das tubulações em processos industriais também podem gerar perdas se não forem adequadas.

Além da substituição dessas peças, os equipamentos mais antigos também precisam ser examinados, pois eles costumam provocar episódios de vazamentos com mais frequência. Nesses casos, a qualidade do serviço de manutenção e sua periodicidade são cruciais para evitar prejuízos.

Promoção da recirculação interna da água

Uma medida interessante é articular a recirculação interna da água. Essa ação beneficia a empresa do ponto de vista de redução de custos, já que o recurso será utilizado várias vezes dentro das instalações.

O processo de reutilização pode ser simples ou complexo, dependendo do investimento que a empresa esteja disposta a fazer e das operações que possibilitam a recirculação, pois nem toda água pode ser reaproveitada.

Uma maneira simples de aplicar o reúso é na limpeza de pátios, estacionamentos e jardins. Já um modo mais complexo, mas não necessariamente dispendioso, de promover a recirculação, é a reintrodução da água nas operações industriais, como fluido de resfriamento de peças. Muitas indústrias siderúrgicas e automobilísticas, por exemplo, reaproveitam os recursos hídricos que consomem.

Investimento no tratamento de efluentes

Em todo complexo industrial há um sistema para tratamento de efluentes. Afinal, garantir que o leito dos rios e o solo não sejam contaminados não só é uma obrigação legal, mas também uma demonstração de respeito ao meio ambiente.

Além disso, as estações de tratamento podem ser ótimas aliadas para a redução do consumo de água — e do seu custo em longo prazo. De modo geral, isso significa investir em tecnologias que viabilizam o tratamento de resíduos líquidos, permitindo o reaproveitamento da água em outras operações.

Utilização de fontes alternativas

Essa medida visa driblar o problema de abastecimento das concessionárias de saneamento e possibilita reduzir a utilização da água proveniente dos rios. A ideia principal, aqui, consiste em captar a água da chuva.

Para colocá-la em prática, é importante definir, primeiramente, a finalidade do uso desse recurso. Isso determinará se os tanques de coleta farão algum tratamento ou não. A instalação dessas estruturas nem sempre é cara, apresentando vantagens que compensarão os custos no futuro.

Disponibilidade de mão de obra qualificada

Embora muitas práticas de economia de água sejam simples, é interessante dispor de profissionais qualificados para o desenvolvimento de projetos de gestão que considerem a realidade de cada empresa.

Sem dúvidas, contar com uma mão de obra especializada facilita a realização da fase inicial de mapeamento, do monitoramento do uso de recursos hídricos e da inserção de novas ações, como as campanhas de conscientização contra o desperdício.

Como você viu, é possível controlar a perda de água nas empresas. Para obter resultados expressivos, as medidas precisam ser aplicadas tanto internamente, como a otimização de processos, quanto externamente, na contração de prestadores de serviço de qualidade.

Esse último item também pode ser gerenciado de modo a diminuir gastos. Para saber como, baixe o nosso e-book e descubra tudo sobre redução de custos em facilities!